sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Centenário de Vinicius de Moraes




 Marcus Vinicius da Cruz de Mello Moraes, conhecido como Vinicius de Moraes nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro, e por isso, comemorou em todo mês de outubro o centenário do querido poetinha como era carinhosamente chamado.  
De alma carioca, botafoguense, este poeta da praia de Ipanema, maravilhoso sonetista, foi também  compositor e dramaturgo.
Com apenas 16 anos entrou para a Faculdade de Direito do Catete, onde se formou em 1933, ano no qual teve seu primeiro livro publicado “O caminho para a distância”. Durante o período de formação acadêmica firmou amizades com vínculos boêmios e desde então, viveu uma vida ligada à boemia.
Após alguns anos foi estudar Literatura Inglesa na Universidade morou em São Paulo, onde fez amizade com Mário de Andrade, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade e também efetivou o primeiro de seus nove casamentos. Logo após algumas atuações como jornalista, cronista e crítico de cinema, ingressou na diplomacia em 1943. Por causa da carreira diplomática, Vinicius de Morais viajou para Espanha, Uruguai, França e Estados Unidos, contudo sem perder contato com o que acontecia na cultura do Brasil.
É um dos fundadores do movimento revolucionário na música brasileira, chamado de “Bossa Nova”, juntamente com Tom Jobim e João Gilberto. Com essa nova empreitada no mundo da música, Vinicius de Moraes abandonou a diplomacia e se tornou músico, compôs diversas letras e viajou através das excursões musicais. Durante esse período viveu intensamente os altos e baixos da vida boêmia, além de vários casamentos.
O início da obra de Vinicius de Moraes segue uma aliança com o Neo-Simbolismo, o qual traz uma renovação católica da década de 30, além de uma reformulação do lado espiritual humano. Vários poemas do autor enquadram-se nesta fase de temática bíblica. Porém, com o passar dos anos, as poesias foram focando um erotismo que passava a entrar em contradição com a sua formação religiosa.
Após essa fase de dicotomia entre prazer da carne e princípios cristãos, infelicidade e felicidade, Vinicius de Moraes partiu para uma segunda fase poética: a temática social e a visão de amor do poeta.
Há diferenças na estrutura da primeira fase poética do escritor em relação à segunda: a mudança dos versos longos e melancólicos para uma linguagem mais objetiva e coloquial.
Infelizmente, faleceu no dia 09 de julho de 1980, na sua cidade querida, o Rio de Janeiro.
                                                                                                                                                           
Entre suas obras temos na poesia os clássicos sonetos de amor, como o “Soneto da Fidelidade”, “Soneto do Amor Total” e “Soneto de Separação”.   Poesias críticas como “Rosa de Hiroxima”.
No teatro a obra mais famosa Orfeu da Conceição, que no cinema foi adaptada pelo cineasta Cacá Diegues.
Na música entre tantas parcerias, a Garota de Ipanema, com Tom Jobim, andou o mundo sendo traduzidas em vários idiomas.
Também fez músicas infantis com seu amigo Toquinho no projeto Arca de Noé 1 e 2.

Henrique Rodrigues Soares.


CEREJA, William Roberto. MAGALHÃES, Thereza Cochar. Literatura Brasileira. São Paulo, Atual, 2000.
Postar um comentário