segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Revista História da Biblioteca Nacional n° 100


Os protagonistas

Negado durante anos, o “povo brasileiro” foi recentemente “redescoberto” pela historiografia. Agora só nos falta aceitar

  • Os milenares
  • Grupo de pescadores-caçadores-coletores ocupou o Pantanal há mais de 10 mil anos e desenvolveu tecnologias a partir do ambiente em que viviam

  • Irmão que vem do mar
  • Irmão que vem do mar
    Os índios podem ter visto os europeus não como deuses, mas como aliados em potencial

  • Governador de todos os índios
    Dono de títulos e honrarias, Filipe Camarão comandou os potiguares na guerra contra os holandeses

  • O que houve em Palmares? O que houve em Palmares?
    Versão dos vencedores não dá conta da organização política de uma sociedade que se manteve por mais de meio século

  • Sincretismo nosso de cada diaSincretismo nosso de cada dia
    Cotidiano do período colonial mostra como é difícil sustentar estereótipos no campo da religiosidade

  • Proibido ter prazer
    Cultura da virilidade e forte repressão da Igreja sufocaram a liberdade sexual indígena e africana, dando origem ao Brasil machista

  • Índio falou, tá faladoÍndio falou, tá falado
    Línguas indígenas sobrevivem no português, influenciam nossa fala e guardam sentidos ocultos

  • Banzo de casa
    O retorno dos alforriados à África era caro e burocrático. Mas para os africanos valia a pena

  • A festa é dos negrosA festa é dos negros
    Celebrações herdadas do cativeiro sobreviveram à Abolição, atravessaram o século e ainda hoje fortalecem a identidade afrodescendente

  • Moça independenteMoça independente
    Insubordinada desde nova, Maria Quitéria se vestiu com o uniforme do cunhado para lutar pela independência na Bahia

  • Invasão dos “rudes”
    Imigrantes que chegaram ao Brasil no século XIX sofriam com falta de oportunidades, doenças e xenofobia

  • Um, dois: feijão com arrozUm, dois: feijão com arroz
    Os ingredientes do maior símbolo da culinária nacional tiveram origens e trajetórias diferentes, antes do casamento perfeito

  • O maestro
    Padre José Mauricio Nunes produziu obras que misturavam Mozart e Haydn à musicalidade secular e tropical

  • Vai de lundu que eu vou de caxuxa Vai de lundu que eu vou de caxuxa
    A originalidade da nossa música se explica nas misturas do Brasil Império: negros, mulatos, imigrantes, teatro, dança, circo...

  • A escrava que disse “não”
    Mucama de uma fazenda de café no Vale do Paraíba, Caetana se recusou a consumar seu casamento forçado

  • O sonho sublime de um ex-escravoO sonho sublime de um ex-escravo
    Primeiro autor a se admitir negro, Luiz Gama lutou na Justiça e na imprensa pela libertação de cativos

  • O príncipe dos alufás
    “Protetor espiritual” de sambistas, políticos e jornalistas, Assumano Mina do Brasil recriava tradições africanas no Rio de Janeiro do início do século XX

  • Poesia com o carimbo popularPoesia com o carimbo popular
    No Brasil, a xilogravura se disseminou como técnica de expressão à medida que foi associada à literatura de cordel

  • A reforma que não veioA reforma que não veio
    Apesar das lutas dos trabalhadores rurais por terra e direitos, a propriedade fundiária no país continua concentrada

  • Profissão: anarquistaProfissão: anarquista
    Anticlerical, o tipógrafo Edgard Leuenroth fundou jornais e foi um dos principais personagens das greves do início do século XX em São Paulo

  • Operários em construçãoOperários em construção
    No início da República, trabalhadores se mobilizaram, fizeram greves e conquistaram seus primeiros direitos

  • De uma mãe de família para o Pai da NaçãoDe uma mãe de família para o Pai da Nação
    Vargas foi o destinatário de inúmeras cartas de mulheres pobres que reivindicavam seus direitos

  • Sintonizando seguiremosSintonizando seguiremos
    Rádio e televisão protagonizaram a grande virada tecnológica do século passado, revolucionando a comunicação também no Brasil

  • De peito aberto
    A morte do estudante Edson Luís foi um marco da violência policial contra os estudantes durante a ditadura civil-militar

  • Difícil lembrar, pior esquecerDifícil lembrar, pior esquecer
    Memórias de filhos de desaparecidos confrontam a “política do esquecimento” em relação aos crimes da ditadura

  • O amor e o poderO amor e o poder
    Sensação das classes populares, música cafona enfrentou a ditadura com críticas à desigualdade e ao moralismo

  • Obsessão pelo fracassoObsessão pelo fracasso
    Nem os cinco títulos mundiais cicatrizaram o trauma que o Brasil não quer esquecer: por que foi tão marcante a derrota de 1950?


Fonte: Site http://www.revistadehistoria.com.br/
Postar um comentário